Theresa Catharina de Góes Campos

  MEU PAI, UMA PESSOA INESQUECÍVEL*

Como homem, sei que contentaria Saint-Exupéry, por ser uma pessoa de caráter nobre, sentimentos retos, honesto, íntegro e justo.

Jamais humilha ninguém, daí se dar bem com os indivíduos simples, com os seus subordinados, os humildes. Sua lealdade é perene; em nenhuma ocasião age falsamente.

A preocupação em relação ao conforto dos outros o impele a entregar o dinheiro para o ingresso do motorista, quando vai ao cinema com mamãe; a se empenhar para conseguir uniforme grátis para o soldado, quando viu a farda rasgada. O Cabo Ramos comentou: - “Se a gente se atrasa, faz algo errado, o Coronel se zanga, repreende a gente. Entretanto, nada que se peça e ele possa atender, deixa de ser feito.”

Num domingo em que fomos ao cinema do Quartel General, observamos um garoto quase caindo junto a um ponto de apoio no prédio baixo, porque se acomodava em local precário, na parte externa, para de algum modo conseguir assistir, por uma janela, à projeção de um filme de ação. O pobrezinho não tinha dinheiro para comprar o ingresso. Papai foi até o lugar, junto a uma das árvores... conseguiu alcançar o braço do “molequinho”, obrigando o menino a descer. Depois, sempre segurando o assustado garoto, levou-o à porta do cinema e disse ao bilheteiro que podia deixá-lo passar, com a sua autorização pessoal, para assistir à sessão cinematográfica lá dentro, em uma das cadeiras.

Certa ocasião em que mamãe saiu para uma programação oficial das senhoras e chegou às 17h40min, papai disse a ela que estava preocupado por causa da comida do Cabo Nascimento, pois o horário para o jantar se iniciava, no refeitório militar, às 17h30min, ficando para quem chegasse mais tarde a alimentação que restasse, uma sobra já fria. Papai considera sagrada a hora da refeição de todos os seus subordinados, inclusive, de seu motorista. Quando este regressou, foi buscar um bombom “Sonho de Valsa” e chamou meu irmão: - “Leve para o Cabo Nascimento, dando como se fosse coisa sua. Ele nunca tem sobremesa.”

Admiro meu pai também como aviador, observando que é seguro, focado na questão da segurança, em todos os aspectos, consciencioso e responsável. A aviação deixou-lhe marcas, no rosto e na sua personalidade, que o tempo, longe de apagar, só fará ressaltar ainda mais. Mamãe não se espanta com o fato dele perceber tão prontamente o que está errado, em qualquer ambiente:

–“Na profissão de seu pai, o menor erro pode custar-lhe a vida.”

Está para sempre guardada no meu coração uma cena de minha infância: papai, na sua cadeira de piloto, na cabine de um avião B-25, com paciência e carinho me dava biscoitos que eram, metade “chupados” por mim, a outra metade jogados no chão, sem maldade, mas pela minha falta de jeito. Eu tinha 3 anos de idade; estava sentada no seu colo, com uma toalha à volta do meu pescoço, me servindo de guardanapo para recolher os farelos daqueles saborosos biscoitos de aveia. Ele se mostrava solícito, demonstrando com espontaneidade, muito tranquilo e bem à vontade, o seu afeto paterno para comigo.... Eu não poderia mesmo esquecer esses momentos.

Theresa Catharina de Góes Campos
Recife-PE, 19 de abril de 1963

*Dedicatória escrita nos originais: A meu adorado pai, com o amor de sua filha Therezita
 

Jornalismo com ética e solidariedade.