Theresa Catharina de Góes Campos

     
UMA JANELA E DUAS IRMÃS

Nossos pais determinaram que, para uma convivência pacífica e justa para ambas, e como a mais velha, eu, sentia frio, ao contrário da caçula, que habitualmente reclamava do calor, deveríamos alternar: uma noite a janela ficaria fechada, na noite seguinte, aberta. Dormimos sempre assim, as duas irmãs, da infância ao casamento da caçula, esta a primeira dos três irmãos a se casar. Ano após ano, no quarto tranquilo, nas muitas cidades em que vivemos, compartilhávamos o quarto e nos deitávamos em camas paralelas. E fomos as melhores amigas, uma da outra. Personalidades diferentes, mas educadas com equidade e dedicação amorosa de nossos pais.
Theresa Catharina de Góes Campos
Brasília - DF, 15 de maio de 2017

De: Leman Pechliye
Data: 16 de maio de 2017

Bonito! Sessão nostalgia!
Lembrei da minha juventude, quando eu e minha irmã dormíamos no mesmo quarto. Eu acordava muito cedo, quatro horas da manhã, tinha que acender a luz pra me vestir... Ela reclamava muito disso! Apesar de tudo éramos muito unidas!
Leman


De: Elizabeth Barros
Data: 17 de maio de 2017

Tia, gostei muito destas suas lembranças, que vieram como um poema. Recordações de uma infância feliz são bênçãos maravilhosas! (...)
Um beijo da sobrinha,
Elizabeth

 

Jornalismo com ética e solidariedade.